ELEIÇÕES | Cientista Político analisa o poder do voto na democracia  

You are currently viewing ELEIÇÕES | Cientista Político analisa o poder do voto na democracia   
  1. O cientista político Roberto Ramos analisa a importância do voto no fortalecimento das instituições que sustentam a democracia brasileira, diante do cenário de instabilidade do processo eleitoral de 2022, principalmente em razão dos constantes ataques ao Supremo Tribunal Federal e às urnas eletrônicas.

Ramos é doutor pela USP e há  28 anos pesquisa sobre partidos e eleições no Brasil. Ele foi reitor da Universidade Federal de Roraima, de 2004 a 2012 e, atualmente, dedica-se à pesquisa científica no Núcleo de Pesquisas Eleitorais e Políticas da Amazônia (Nupepa), vinculado à UFRR.

“O voto é essencial para a democracia porque ele expressa a vontade do eleitor na escolha dos dirigentes políticos do país. A democracia pede eleições livres e espontâneas para que os cidadãos possam escolher as elites políticas. O voto é essencial em todas as instâncias necessárias para o bom funcionamento democrático”, afirma.

Nas suas pesquisas, o professor Roberto Ramos concluiu que o eleitorado de Roraima demonstra perfil conservador, uma vez que os partidos mais à direita, com a política claramente clientelística, têm  conseguido fazer com que o voto aconteça em maior número.

“As eleições de Roraima são muito clientelísticas, com eleitores que trocam o voto por algum benefício. Como os setores mais à direita usam bastante o clientelismo para conquistar apoio, isso tem determinado o voto mais conservador, até pela própria força que os partidos de direita têm no estado”, analisa.

Segundo ele, considerando que o nível de desenvolvimento do local é baixo, o estado é o grande empreendedor da política e da economia roraimenses. Para mudar essa realidade, o eleitorado precisaria ter mais carteira assinada, no mercado de trabalho.

Sobre as eleições 2022, Ramos destaca que serão colocados à prova a continuidade dos projetos de poder do presidente da República e do governador, numa espécie de eleição plebiscitária, que é quando os eleitores julgam, de modo geral, as ações executadas no primeiro mandato do líder político.

“Com relação às eleições de deputado estadual e deputado federal, existe uma expectativa de que haja uma renovação. Têm políticos há muito tempo no poder e isso tem gerado uma insatisfação. A expectativa é que o eleitor faça mudanças”, destaca Ramos.

Na democracia, os governantes devem se colocar como representantes da população buscando, acima de tudo, uma ética de responsabilidade e, devem primar pela harmonia entre os poderes, obedecendo a constituição.

“A escolha política [o voto] é fundamental porque o eleitor pode escolher pessoas com perfil republicano, que saibam respeitar e valorizar os bens do país, procurando ser responsáveis perante a sociedade, gerando mais desenvolvimento”, finaliza.

Deixe um comentário