Policiais civis prendem estelionatários que usavam o nome do DNIT para aplicar golpes

You are currently viewing Policiais civis prendem estelionatários que usavam o nome do DNIT para aplicar golpes
Agentes do SIOP (Seção de Investigação e Operação) do 1º DP prenderam em flagrante nesta segunda-feira (09), o comerciante A. J. S., de 67 anos e O. C. S., de 45 anos, pelo crime de estelionato. Os dois são acusados de se apresentarem como funcionários do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) para aplicarem golpes e foram presos quando faziam uma negociação que poderia lhes render a quantia de R$ 78.000,00.
De acordo com informações prestadas pelo delegado titular do 1° DP, que presidiu as investigações, Clayton Ellwanger, o suspeito O. C. S., era quem se apresentava como funcionário do DNIT e, de forma criminosa, informava que vendia pneus que seriam sobras de compras realizadas pelo órgão público e o cúmplice dele, A. J. S. passava-se por engenheiro para dar credibilidade ao golpe.
Os dois homens não são de Roraima e um deles confessou ter aplicado dois golpes, que lhe rendeu o valor de R$ 39 mil cada um e disse que quando estava na negociação do terceiro golpe teve seus planos “frustrados” com a chegada dos policiais.
A prisão ocorreu depois de uma investigação que teve início em abril deste ano, após o registro de BO (Boletim de Ocorrência) onde a vítima, E. C. M, de 47 anos, proprietário de uma borracharia relatou ter sido lesado em um golpe estelionatário no valor de R$ 39.000,00.
A vítima relatou que trabalha com a compra e venda pneus novos e usados, além de realizar reparos em pneus de caminhão. No mês de abril um homem identificado como “Antônio” foi até sua borracharia, que fica no bairro Centenário e lhe ofereceu 30 pneus de caminhão pelo valor de R$ 1.300,00 cada um.
“Segundo a vítima, como ele não tinha o valor total para realizar a compra, marcou o dia para efetivar o pagamento. Foi acertado que o ponto de encontro seria na Praça do Centro Cívico, mas o suposto vendedor disse que estava sem carro e que seria necessária uma assinatura de um engenheiro para atestar a liberação dos pneus. Inclusive os golpistas usavam documentos com identificação do órgão público, para enganar o comprador”, enfatizou.

Luiz Valério

Jornalista, escritor, blogueiro e podcaster. Especialista em Comunicação Social e Novas Tecnologias. Profissional de Marketing Digital. Fundador e Editor-chefe do Jornal Roraisul. (Uma ousadia e aventura inesquecível com meu sempre amigo Osmar Morais).

Deixe um comentário