Municípios de Roraima poderão aplicar dose de reforço da Covid-19

You are currently viewing Municípios de Roraima poderão aplicar dose de reforço da Covid-19
Foto: Secom-RR

Após o Ministério da Saúde anunciar mudanças na campanha de vacinação contra a Covid-19 no país, Roraima recebeu nesta quarta-feira,29, as notas técnicas que normatizam as mudanças e após análise técnica, pela Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde, as alterações podem ser colocadas em prática de forma imediata em Roraima.

Nesta quinta-feira,30, a CGVS está informando às 15 prefeituras do Estado, que todos os municípios estão liberados para iniciar a aplicação da dose de reforço para trabalhadores da saúde e pessoas com mais de 60 anos. Será adotada a vacina Pfizer.

Cerca de 10.200 trabalhadores da saúde e aproximadamente 3.600 idosos, que até 30 de março se vacinaram, estão aptos a receber a dose de reforço, conforme o calendário de vacinação a ser anunciado por cada município.

“Estamos atentos a todas as mudanças estabelecidas pelo Ministério da Saúde, sempre com a equipe envolvida no planejamento, para que as recomendações do Ministério sejam atendidas com celeridade e organização. E depois de receber oficialmente o comunicado do Governo Federal, estamos mantendo o contato com as prefeituras, informando sobre a importância de garantir que a dose de reforço seja iniciada para esse público”, esclareceu o governador Antonio Denarium.

Para o secretário de Saúde, Leocádio Vasconcelos, a dose de reforço para esse público significa mais um avanço importante do trabalho de enfrentamento da pandemia.

“Estamos muito satisfeitos com esse reconhecimento que chega para os heróis da saúde, pois essa é uma estratégia de vacinação fundamental que alcança determinados grupos de maior exposição, como os trabalhadores de saúde por exemplo e que agora estarão bem mais protegidos e com a garantia de poder continuar trabalhando com mais segurança e tranquilidade”, complementou.

De acordo com a coordenadora geral de Vigilância em Saúde, Valdirene Oliveira é fundamental que a população esteja atenta às orientações do Ministério da Saúde, ou seja, a dose de reforço deverá ser aplicada para pessoas com mais de 60 anos e trabalhadores da saúde que tenham tomado a última dose do esquema vacinal primário (segunda dose ou dose única), independente do imunizante aplicado, há pelo menos seis meses.

“É importantíssimo que as prefeituras orientem a população sobre esse critério e que os idosos e trabalhadores estejam atentos para esse intervalo necessário para poder receber a dose de reforço e acompanhem o anúncio do calendário de vacinação que será divulgado por cada prefeitura”, reforçou.

Conforme a Coordenadora Geral de Vigilância em Saúde os municípios poderão iniciar a aplicação da dose de reforço, uma vez que todas as prefeituras estão com as salas de vacina abastecidas.

“E se houver a necessidade de complemento de vacinas, o Núcleo Estadual do Programa de Imunização poderá fazer o envio tranquilamente a partir de amanhã ou segunda-feira, conforme a solicitação feita por cada município”, disse.

Quais trabalhadores poderão tomar a dose de reforço? – Consideram-se trabalhadores da saúde indicados para receber a dose de reforço os indivíduos que trabalham em estabelecimentos de assistência, vigilância à saúde, regulação e gestão à saúde, ou seja, que atuam em estabelecimentos de serviços de saúde, a exemplo de hospitais, clínicas, ambulatórios, unidades básicas de saúde, laboratórios, farmácias, drogarias e outros locais.

Dentre eles, estão os profissionais de saúde, agentes comunitários de saúde, agentes de combate às endemias, profissionais da vigilância em saúde e os trabalhadores de apoio, como por exemplo recepcionistas, seguranças, trabalhadores da limpeza, cozinheiros e auxiliares, motoristas de ambulâncias, trabalhadores que atuam em cuidados domiciliares que atuam em programas ou serviços de atendimento domiciliar, como por exemplo cuidadores de idosos, doulas e parteiras.

Além disso, incluem-se os familiares diretamente responsáveis pelo cuidado de indivíduos gravemente enfermos ou com deficiência permanente que impossibilite o autocuidado, de forma que não estão incluídos todos os contatos domiciliares destes indivíduos, apenas o familiar diretamente responsável pelo cuidado.

Ainda estão incluídos estudantes de graduação e pós-graduação das profissões de saúde, no que couber, desde que estejam em atividade de exposição ao coronavírus, em razão de estágios curriculares e outras modalidades de prática acadêmica.

Luiz Valério

Jornalista, escritor, blogueiro e podcaster. Especialista em Comunicação Social e Novas Tecnologias. Profissional de Marketing Digital. Fundador e Editor-chefe do Jornal Roraisul. (Uma ousadia e aventura inesquecível com meu sempre amigo Osmar Morais).

Deixe um comentário