You are currently viewing Aderr alerta produtores sobre praga que atinge cacau e cupuaçu
Monilíase é uma doença que afeta plantas do gênero Theobroma, como o cacau e o cupuaçu. Foto: Aderr

Aderr alerta produtores sobre praga que atinge cacau e cupuaçu

A Aderr (Agência de Defesa Agropecuária de Roraima) alerta aos produtores de cacau e cupuaçu para ficarem atentos à monilíase do cacaueiro, doença que atinge esse tipo de fruto.

Caso note um tipo de pó esbranquiçado nos frutos, é importante comunicar para a Agência, visando adoção de medidas cabíveis de contingência, monitoramento de detecção da praga, delimitação de área afetada para ações de contenção e erradicação para evitar a disseminação em áreas de plantação no Estado.

As medidas de prevenção se devem ao fato de ter aparecido no Acre, em área residencial urbana no Município de Cruzeiro do Sul, um foco da praga Moniliophthora roreri, após ser comunicado por um cidadão local, que notou os sintomas da doença, depois de ter visto em fotos de frutos de cacau e cupuaçu, divulgadas pelas campanhas de educação fitossanitária.

A PRAGA

A monilíase é uma doença que afeta plantas do gênero Theobroma, como o cacau (Theobroma cacao L.) e o cupuaçu (Theobroma grandiflorum), causando perdas na produção e uma elevação nos custos devido à necessidade de medidas adicionais de manejo e aplicação de fungicidas para o controle da praga.

É uma doença que atinge somente as plantas hospedeiras do fungo, sem riscos à saúde humana. Mesmo que o foco detectado tenha sido no Acre, é importante, conforme destacou o presidente da Aderr, Kelton Lopes, que o produtor fique atento aos sintomas e avise a Agência.

“Se por acaso qualquer pessoa constatar um fruto de cacau ou cupuaçu com um pó esbranquiçado deve comunicar imediatamente às UDAs (Unidade de Defesa Agropecuária) e EACs (Escritório de Atendimento a Comunidade) da Aderr para que a gente tome as medidas cabíveis de controle e erradicação da praga. A monilíase causa grandes danos às culturas, por isso é preciso informar com urgência às autoridades fitossanitárias”, ressaltou Kelton Lopes.

Na América do Sul, a praga já se encontra presente no Equador, Colômbia, Venezuela, Bolívia e Peru.

Luiz Valério

Jornalista, escritor, blogueiro e podcaster. Especialista em Comunicação Social e Novas Tecnologias. Profissional de Marketing Digital. Fundador e Editor-chefe do Jornal Roraisul. (Uma ousadia e aventura inesquecível com meu sempre amigo Osmar Morais).

Deixe um comentário